domingo, 1 de setembro de 2013

Merecíamos algo mais


Deu a impressão que merecíamos neste derby, mas houve empate a uma bola na terceira jornada da I Liga.
O nosso Sporting foi melhor nos minutos iniciais. Ainda foi Rodrigo a ter a primeira iniciativa ofensiva, mas depois houve uma sucessão de cantos junto à baliza de Artur, que fez uma defesa complicada num remate de William e viu Cortez e Salvio a realizarem desvios algo perigosos. O golo não demorou muito: nove minutos, contra-ataque rápido, belo cruzamento de André Martins e Montero, de cabeça e com espaço, a fazer o 1-0. No entanto (e só visível após as repetições televisivas) a jogada deveria ter sido anulada, já que na fase inicial Montero estava em fora-de-jogo, antes de passar a bola para André Martins. Mas também não temos culpa da defesa do Luisão já se arrastar em campo...
Reação dos visitantes logo a seguir, num lançamento lateral comprido, com Rodrigo a enviar a bola à barra, também de cabeça. Seguiu-se um período morno, com continuação da nossa superioridade, mas sem oportunidades de golo junto de qualquer baliza. Cortez agitou um pouco, num sprint do lado esquerdo, cruzou e Salvio poderia ter empatado mas falhou o remate e atirou por cima. Os homens de Leonardo Jardim procuraram mais a vitória na primeira parte, efetuaram praticamente o dobro dos remates e justificavam a vantagem ao intervalo.
No segundo tempo, Cardozo foi chamado, qual salvador da pátria! Entretanto, e temporariamente com 10 jogadores em campo, o Benfica poderia ter chegado ao golo por Marković e Rodrigo - Rui Patrício brilhou duas vezes na mesma jogada. Jesus passou a ter em campo quatro homens da frente: Lima, Rodrigo, Marković e Cardozo. E foi o sérvio a fazer o empate: aos 64 minutos serpenteou entre vários adversários, tinha Cardozo sozinho mas colocou a bola por baixo de Rui Patrício e igualou.
Cenário invertido na segunda parte, o Benfica estava mais perigoso e o Sporting concedia mais espaços. Mas o dominio encarnado durou apenas 20 minutos. Remates de André Martins e Jefferson ainda deram algum trabalho a Artur. Esta subida de rendimento dos visitantes foi passageira e a "tremideira" caseira passou. O Sporting melhorou, Capel e Montero ameaçaram Artur (grande defesa no livre do colombiano), mas com um ritmo mais calmo a partida prolongou-se até final sem mais golos.
O nosso Sporting lidera agora provisoriamente o campeonato com sete pontos e espera pelos resultados de hoje.
Destaques:
Adrien Silva - Adrien encheu o relvado e se procura o melhor em campo, ele aqui está. Se o nosso Sporting se superiorizou ao rival, foi porque teve um médio inteligente como Adrien a ocupar espaços, a roubá-los ao adversário e a fazer a equipa girar e girar. 
Fredy Montero - Dez minutos no primeiro dérbi lisboeta da vida e já estava a marcar. Posicionamentos à parte, Fredy Montero percebeu onde havia espaço para rematar, surgiu nas costas da defesa encarnada e foi fatal como era o Levezinho nesta coisas. Um remate, um golo. Que mais se pode pedir a um ponta de lança em jogo de tamanha importância? Mas Montero foi mais do que isso. Se nos primeiros tempos parecia não se adaptar a jogar sozinho na frente, a rotina deixou-o bem mais à vontade e, por isso, soube sair da marcação, e jogar com o resto da equipa. Tem uma mobilidade incrível e isso atrapalhou não só Garay como também causou dúvidas na cabeça de outros defesas e médios encarnados.
Jefferson - Jefferson ganhou a Salvio quase todos os lances. A defender, portanto, esteve bem e foi fulcral, pois, antes da partida, seria um ponto a explorar pelos encarnados. Melhor esteve quando subiu no flanco. Ou seja, as características do seu futebol bem expostas no relvado do José Alvalade. 
Rui Patrício - Novamente gigante na baliza, mas com menos número de intervenções em relação aos últimos anos. Isso é mais sinal de crescimento da equipa do que Patrício, que evitou o golo do Benfica mais cedo com duas defesas enormes. A primeira a remate de Markovic e a segunda, de imediato, a tentativa de Rodrigo. Reagiu como um felino aí e foi seguro como sempre.
Marcos Rojo - Grande exibição do argentino no 1º tempo, muito forte nas dobras e nos duelos individuais. No 2º tempo, talvez por ter amarelo a verdade é que foi menos agressivo na abordagem aos lances.

1 comentário:

Joel Carvalho disse...

Pedimos desculpa mas é apenas para divulgar. Um casal, a crise, poupanças e histórias de quem vive a crise como muitos outros, mas onde a poupança é o melhor remédio. Pode passar a mensagem…? Obrigado!

http://ocarteiravazia.blogspot.com/