terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Nível de Champions


Tenho de ser muito honesto e de dar a minha opinião sobre o que vi (arbitragem à parte): ficou demonstrado que somos, neste momento, duas equipas: uma boa a atacar e outra muito fraquinha a defender; não fosse o Patrício e tínhamos levado um cabaz. Nunca vi uma equipa de Mourinho com tantas oportunidades de golo, contudo temos de ter em conta o leque de craques de que dispõe. A nós exige-se mais rigor defensivo e uma equipa que se diz de champions não pode dar tantas abébias como demos hoje. Há muito trabalho pela frente e é inegável: faltam jogadores de craveira no sector defensivo. E aqui houve uma novidade, Paulo Oliveira disse presente, veremos...

Terceiro ponto para acabar o que de mau vi. Partilho totalmente das declarações do José Nunes da Antena 1. Exige-se muito mais a um jogador como Slimani. Montero em 10 minutos mostrou mais tudo do que o argelino. Volto a frisar aquilo que já defendi por aqui: é um crime ter dois alas da dimensão de Carrillo e Nani (que gostam de ter bola e ter um ponta-de-lança que saiba jogar com os pés) e na frente ter um pinheiro. Nada contra o Slimani mas, na minha opinião, não pode jogar a titular numa equipa como a nossa atualmente, pelo menos sozinho.
Tirando estes pequenos-grandes pormenores, temos de frisar que a equipa deu tudo e mostrou coisas fantásticas do meio-campo para a frente. Temos muita matéria de qualidade e, sinceramente, vejo-nos com francas hipóteses de seguir em frente. Caso façamos 4 pontos nas próximas duas jornadas, penso que poderá chegar.

Rui Patrício - Uma exibição ao nível de Rui Patrício: muito alto. Passou por ele, aliás, o facto do jogo não ter acabado mais cedo. Começou o festival logo no primeiro minuto, a travar um Diego Costa isolado. Na segunda parte haveria de fazer o mesmo a Óscar. Pelo meio ainda parou um remate de Schurrle. Patricio a escrever pergaminhos de história pelo nosso Sporting.

Nani/Carrillo - Por fim Carrillo tem justificado dentro de campo o imenso talento que tem. Começou a brilhar logo no minuto inicial, numa jogada em que passou por vários adversários, e nunca mais parou. Tecnicista, atrevido e solidário, jogou sempre bem. Numa jogada grande jogada individual foi travado por Ivanovic, quando já se isolava, pouco depois sofreu um penálti não assinalado. Já o internacional português entrou no jogo mal, individualista e bastante inconsequente. Na segunda parte melhorou, foi ele próprio e carregou a equipa às costas na transfiguração operada.

João Mário - Encheu o campo: tanto assim que quando se teve que tirar um médio para colocar Montero, Marco Silva preferiu tirar Adrien Silva. Forte fisicamente, muito móvel, surgiu no centro, à direita e à esquerda, sempre a dar apoio aos colegas e a abrir linhas de passe. Excelente exibição do médio.

Adeptos - O nosso clube já merecia uma noite assim: depois de cinco anos de ausência de Liga dos Campeões, os grandes clubes, os grandes jogos e os grandes jogadores regressaram. O Estádio vestiu-se de gala, ficou perto da casa cheia e vibrou à medida da Champions. Incansável no apoio!

Naby Sarr - Marco Silva vai ter de fazer alguma coisa relativamente aos centrais: o Sporting não pode continuar com dois jogadores que não têm saída de bola, que não se entendem, que falham constantemente nas marcações. Sarr muito pior do que Maurício já que o brasileiro está ciente das suas limitações e fez um jogo competente ganhando vários duelos individuais. O francês precisa de equipa B. Paulo Oliveira ainda por cima entrou bem no jogo...

William Carvalho - Esteve, e ao contrário do que tem feito esta época, mais em jogo: mas mesmo assim longe de estar bem. Prendeu a bola, por vezes exagerou nas iniciativas individuais e até os passes por vezes não lhe saíram.

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Onde tu fores jogar, eu vou lá estar!


Depois do empate de sexta, renovo as minhas esperanças para amanhã relembrando aquela 1.ª parte contra os corruptos! Que banho de bola! Se somos capazes disso, então somos capazes de nos bater contra os bifes! EU ACREDITO!!! (sim, já estou a contar os minutos para o ansiado regresso da CL a Alvalade!) Este vídeo foi gravado no intervalo junto à entrada para o sector do Directivo e da Torcida. Grande momento, só não teve mais gente porque muitos ficaram na bancada ao intervalo e não se aperceberam de nada

.

sábado, 27 de Setembro de 2014

Foi bom, mas podia ter sido melhor


Ontem quando acabou o jogo disse no café onde o vi que o resultado tinha sido justo mas hoje depois de analisar calmamente com outros olhos o jogo  digo: que qualidade desta equipa do Sporting, merecíamos ganhar sem duvida nenhuma, abafámos aquela que dizem que é uma maquina trituradora!
Na primeira parte houve muito Sporting, o meio campo criado por Marco Silva carburou é de que maneira ( quando William atinar de vez vai ser assombroso ), João Mário é a qualidade em pessoa ( que pezinhos ), tivéssemos marcado aquela cabeçada do João Mário ou o remate do Nani e os porcos já nem tocavam na chicha. Na segunda parte aconteceu o expectável, ou seja, a capacidade que o Porto tem em mudar e não perder qualidade ( ou no caso de ontem em ganhar qualidade ) e isso se deve ao facto de metade daqueles jogadores serem pagos a peso de ouro e mesmo assim não lhe pertencerem. E assim baixámos as linhas e os do norte jogavam como costume (e que todos dizem que é muita bom) , que é trocar a bola no seu meio campo entre os defesas ( o que lhe da os tais 70% de posse de bola) numa espécie de tiki taka esfarrapado.
Depois aconteceu Naby Sarr coitado do rapaz. O auto-golo? Qual é a dúvida, nunca jogaram à bola? Diriam que é suposto ele deixar passar o cruzamento para a pequena área? Ainda por cima quando estava a fazer uma exibição bastante competente só falhando uma vez perante Jackson Martinez quando este fica isolado na cara de Patrício. E o Rui?! Enorme! A partir dai o jogo ficou um pouco partido com qualquer das equipas a poder ganhar, faltas aqui e ali, jogo sempre intenso e dois golaços que podiam ter sido marcados de um lado e do outro; uma bomba fantástica do Capel e um calcanhar impressionante de Jackson. Em suma, excelente jogo do nosso Sporting e muito boas perspectivas para o futuro. Ainda há pormenores a melhorar? Obviamente que sim, vários. Estou satisfeito com o resultado? Não, obviamente que não estou satisfeito com o resultado. Mas quando notamos a equipa a melhorar progressivamente (Nani entrosado, um melhor Carrillo, uma lufada de ar fresco chamada João Mário, Adrien e William a regressar, Jonathan a surpreender e um Patrício sempre lá para nós) só podemos ter boas perspectivas no futuro próximo.

Nani/Carrillo - Foram estes dois os dínamos do excelente futebol praticado pelo nosso Sporting na primeira parte. O português teve mais uma manifestação da qualidade que acrescenta a este Sporting. É verdade que podia ter feito ainda melhor, sobretudo nas duas vezes em que acerta em Fabiano com a baliza escancarada. O peruano esteve endiabrado na primeira parte; quebra-cabeças para Alex Sandro nos primeiros minutos, os seus melhores momentos de intensidade foram dificílimos de travar pelos rivais. Falta-lhe apenas ligar estes momentos, aumentando a sua consistência. Continua a ser muito importante naquela pressão alta sobre a saída de bola dos rivais.

Rui Patrício - Sempre lá para nós. Na primeira parte esteve tranquilo sem muito trabalho; na segunda parte mostrou o que é ser guarda redes de equipa grande. No frente a frente com Jackson Martinez levou a melhor (um dos melhores guardiões do mundo a sair-se), fez uma defesa fantástica a remate de Herrera e ganhou todas as bolas divididas pelo ar.

Jonathan Silva - Entrada em grande no jogo com um golo que nem ele próprio pensaria em marcar. Depois disso mostrou sempre grande intensidade e agressividade. Na primeira parte anulou Quaresma, na segunda com menos fôlego teve mais dificuldades com Tello.

João Mário - Com ele em campo, o Sporting ganha inteligência. Sabe onde deve estar e como lá chegar o mais depressa possível, seja para pressionar o portador da bola ou chegar a um cruzamento. Ter a bola e devolvê-la, sempre controlada, não é um problema para si. Aos 15 minutos, também ele teve o golo ao seu alcance, depois de Carrillo ter deixado para trás Alex Sandro e cruzado para a sua frente. Sem marcação, atirou ao lado. Falhou aí, mas foi só.

Maurício/Sarr - Sem terem comprometido, não deram a segurança necessária. O brasileiro perdeu apenas uma dividida para um solitário Jackson, embora tenha estado bem (e pouco faltoso) no geral. O francês esteve até bastante competente só falhando quando deixou Jackson isolar-se, mas a sua exibição culminou num corte infortunoso que enfiou a bola na sua própria baliza. Tudo tem acontecido ao rapaz já que quanto a Sarr, há detalhes que me levam a ter a certeza de haver ali muito potencial. Pode ser que este crescimento "forçado" dê frutos no futuro.

Diego Capel - Se aquela entrava...

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Super Empresário


Leiam este artigo must read escrito no The Guardian sobre Jorge Mendes.
Não menosprezem o poder/valor de Jorge Mendes … que é um gajo que percebe do negócio, que subiu, e bem, do zero e isso não é nenhum mal, antes pelo contrário. O problema é mesmo a presença dos dois lados da mesa, às vezes dos quatro lados através de intermediários e offshores manhosas.

Leio isto (na linha de outros artigos no Guardian e noutros órgãos de comunicação social estrangeiros), lembro-me de várias reportagens ou artigos de investigação feitos por órgãos de comunicação nacionais que foram premiados internacionalmente, e concluo (uma vez mais) que há assuntos que só não são notícia se alguém não quiser. A omissão dá menos nas vistas, mas é tão ou mais eficaz que a mentira.

domingo, 21 de Setembro de 2014

Maestro João afina a orquestra


A missão era difícil á priori mas foi cumprida: ganhar obrigatoriamente e se possível dar um recital de bom futebol na deslocação a Barcelos. Com uma excelente exibição, sobretudo na primeira parte, tivemos grandes facilidades no encontro e até podíamos ter construído um resultado mais desnivelado. João Mário, com duas assistências, foi a grande figura do encontro e já não deve sair do 11 (num dia em que André Martins ficou na bancada, sorry). Nani, que voltou a marcar, e Adrien estiveram igualmente em bom plano, sendo de destacar também a estreia positiva do rookie Jonathan Silva. É certo que o adversário não nos deu grande oposição, mas só conseguimos uma vitória muito importante (os próximos jogos são com Porto e Chelsea) como também praticámos um futebol de grande qualidade, sobretudo na primeira parte. O meio campo apresentou uma dinâmica notável (William e Adrien subiram de rendimento) e para isso contribuiu a entrada do maestro João Mário no 11. E que luxo ver estes três a trabalhar! O médio, com a sua qualidade no passe e visão de jogo, entendeu-se muito bem com Adrien e, para além das duas assistências, fez uma exibição muito consistente e deve ter roubado o lugar a André Martins.
Este resultado foi importantíssimo a vários níveis mas quero destacar um: o levantar de moral dos adeptos. Os adeptos têm de perceber que não é a apoiar jogo sim jogo não que se vai lá. Os jogadores erram? Obviamente. Se tivéssemos dinheiro para Messis ou Ronaldos a taxa de erro reduzia-se mas temos o que podemos ter e assim continuaremos. Tenho pena que certos sportinguistas já esqueceram que á ano e meio atrás estivemos quase a fechar portas e agora estamos a competir e a recuperar o nosso clube de uma forma extraordinária.

João Mário - Foi o maestro que temos vindo secretamente a pedir. Alterou a dinâmica do jogo entrando confiante e aguerrido, fazendo uma dupla versátil com Adrien. Fez as assistências para dois golos no segundo tempo e já na primeira parte havia deixado boas indicações. «João Mário acaba de comprar a gamebox para o 11 do Sporting» disse Luis Freitas Lobo e acho que todos concordamos. 

Nani - Se a expectativa já era elevada (melhor extremo em Portugal), o português não só não tem defraudado como tem elevado ainda mais o nível. Anda literalmente a passear classe e a brincar com os adversários. A jogada do seu golo pode-se considerar uma ode?

Adrien Silva - Encheu-se de fé e abriu caminho à goleada, e quando ele está bem tudo é mais fácil. O facto de ter ao seu lado outro parceiro nem parece ter feito diferença, ou talvez tenha, mas para melhor.