quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Mais respeito


Leva-se a passagem da eliminatória de uma competição que tem de ser encarada com mais atitude e talvez mais respeito pela maioria dos jogadores. Dado o pouco interesse que temos na Taça da Liga, passa pela Taça de Portugal a melhor e maior oportunidade de levantar um caneco este ano.
Elogios, contudo, têm que ser feitos ao Vizela. Enquanto pôde, a equipa de Emanuel Simões discutiu o jogo sem medo do maior poderio do Sporting, tentando sempre fazê-lo com um futebol positivo e bem trabalhado. Neste momento procura regressar aos campeonatos profissionais e se jogar no Campeonato Nacional de Seniores como jogou contra os nós, é bem provável que a temporada possa terminar com festejos em Vizela.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Anti corpos

Eu ontem vi sportinguistas a ficarem desolados com o facto de sair o Wolfsburgo no sorteio da Liga Europa, mesmo tendo em conta a excelente prestação dos nossos rapazes na Liga dos Campeões.
Constatar uma realidade não é ser pessimista, essa aliás não é a definição da palavra em si. Pessimismo é prever um futuro negro e sombrio, quase de forma doentia como se estivéssemos outra vez nos tempos de Godinho. Pessimismo é a forma desesperante com que se dispensa metade do plantel em Janeiro só em comentários por essa internet fora e achar que está tudo mal e só vai ficar pior, a culpa é deste e do outro e do outro.

Então afinal para que precisamos de rivais?

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Leão contra Lobo


A nossa equipa, que caiu da Liga dos Campeões, vai medir forças com os alemães do Wolfsburg. O sorteio não foi propriamente sorridente para nós, onde vamos defrontar o atual segundo classificado da Bundesliga, onde joga o português Vieirinha, mas também o dinamarquês Bendtner, o defesa Ricardo Rodríguez, o croata Perisic, Kevin de Bruyne ou o brasileiro Luiz Gustavo; estes craques entre outros bons jogadores que compoem um plantel equilibrado e com qualidade para Liga dos Campeões. Este será o primeiro duelo entre Wolfsburg e Sporting.

Pontos a voar...


Não tem feito sentido a quantidade de pontos perdidos pelo Sporting em Alvalade. Não consigo perceber porque é que a equipa não entra forte, especialmente em Alvalade, da forma como entrou contra Porto e Setúbal para o campeonato. Tanto mais numa jornada como esta, em que no mínimo um dos rivais perderia sempre pontos e com um empate do Guimarães a anteceder o nosso jogo. Marco Silva referiu isso mesmo no final do jogo.
O Sporting foi tendo oportunidades para ganhar e com um pouco mais de calma até teria ganho com facilidade, mas de forma geral os jogadores pareceram não estar com a cabeça no sítio. À excepção de Carrillo e Paulo Oliveira, não pareciam estar lá, concentrados no jogo e por ai passou muito do empate de hoje.
No segundo tempo o relvado já parecia mais inclinado com o Sporting a atacar, o Moreirense a defender cada vez mais - com o passar dos minutos a turma minhota praticamente deixou de passar do meio-campo, tirando uma ou outra exceção. No entanto, a defender, o Moreirense esteve bem. É verdade que a criatividade e a velocidade dos homens da casa não foram suficientes para assustar verdadeiramente mas o Moreirense cumpriu, fechou o que era preciso fechar; e faltou algo mais (ou muito mais) ao nosso Sporting, que como se tem visto noutros jogos voltou a sofrer ao longo de uma segunda parte em Alvalade, onde o golo não aparecia. Apareceu aos 91 minutos: Montero apareceu sozinho e deu um mísero ponto ao Sporting.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Sem justiça


O Sporting chegou a Londres no segundo lugar, um empate bastava para continuar na Liga dos Campeões, mas tal não aconteceu. O Chelsea ganhou por 3-1, o Schalke 04 venceu contra o Maribor e o nosso Sporting vai ser o único representante português na Liga Europa, a partir de fevereiro.
O primeiro quarto de hora correu-nos mal; a equipa entrou demasiado nervosa e não conseguiu impor nada do que caracteriza o seu futebol habitual, e portanto os erros sucediam-se. Primeiro houve uma precipitação de Esgaio, que cometeu falta sobre Filipe Luís na área e Fàbregas marcou de grande penalidade (falta essa, que se fosse ao contrário não seria marcada); aos 15 minutos Schürrle foi rápido a agir à entrada da área e apontou o 2-0. A reação do Sporting não convenceu. Sem Nani na equipa, Carrillo tentou na fase inicial agitar o ataque mas sem consequências. Os jogadores tinham a bola, passavam, mas perto da área contrária foi raro o passe que chegou no momento certo e na direção adequada muito porque Slimani e Capel não davam o melhor seguimento. E Čech não teve realmente trabalho. Pelo contrário o Chelsea, em poucos toques e em poucos segundos, aparecia no ataque e criava mais perigo - Matić e Schürrle foram os jogadores que estiveram mais perto do golo até ao intervalo.
A lucidez e a eficácia que não houve no ataque luso, na primeira parte, apareceram no início do segundo tempo, quando Jonathan Silva subiu e reduziu, concluindo mais um slalom fantástico de Carrillo pela direita. Pouco depois, numa jogada duvidosa por possível fora-de-jogo, Obi Mikel marcou o terceiro golo dos ingleses e esse momento terá desanimado os nossos jogadores, que quase não incomodaram Čech até ao final. Sem velocidade, sem imaginação, sem capacidade.

No final de contas foi uma boa campanha, deu para deixar uma boa imagem num palco que tem de ser nosso, onde temos de estar de forma consecutiva por várias razões. Pela vertente desportiva, porque só se cresce e evolui a jogar contra os melhores, mas também pela vertente financeira. Mesmo sem apuramento o Sporting ganha 11.5 milhões em prémios, fora receitas televisivas e bilheteira.