terça-feira, 28 de agosto de 2012

Sporting 0 x Rio Ave 1 - A desilusão

 
Reconheço que parti com expectativas demasiado altas para o jogo de ontem, embora os dois primeiros jogos demonstrassem haver muito ainda a melhorar, mas não estava preparado para o que assisti ontem em Alvalade.
Sá Pinto terá certamente muitas culpas, pela (não) preparação da época, e na formação do plantel, mas, e desculpem-me os mais críticos, o resultado de ontem não pode ter outros culpados que não os jogadores. 
Podemos andar cuspir no Sá Pinto por não ver que o Adrien e o Martins não servem para nº10, ou por jogar com um duplo-pivot defensivo em casa, mas o problema está longe de ser esse.

Aliás ontem isso foi mais do que evidente, principalmente para quem como eu pôde assistir ao jogo ao vivo. Primeiro não vi qualquer duplo-pivot, mas antes um Gelson a jogar à frente da defesa, com Elias mais adiantado e Adrien ainda mais à frente. Havia léguas a separar os 3 médios centro, e se nós que vemos o Sporting jogar 1 ou 2 vezes por semana, sabemos que Gelson não é um construtor de jogo, e precisa de ter alguém perto com quem trocar a bola na 1ª fase de construção, como se explica que Elias e Adrien abram todo aquele fosso entre eles e o médio suiço? 
Como já pude ler por aí, a culpa é do treinador, porque foi ele que os mandou jogar mais adiantados! Coitadinho do Elias, um futebolista profissional que custou quase 9 milhões de euros, e da pseudo-vedeta que se anda a fazer tão difícil de renovar, que não conseguem ver que têm de baixar no terreno, desmarcar-se e dar linhas de passe para se poder avançar no terreno. Ninguém no seu juízo perfeito vai fazer literalmente o que o treinador definiu, vendo que isso está a prejudicar a equipa. Por amor de deus, com aquela dinâmica no centro, até eu podia ser o trinco pelo Rio Ave, de tão fácil que era marcar os médios do Sporting.

Realmente que estúpido que é o Sá Pinto que depois disto ainda tira os dois ao mesmo e partiu a equipa! (também já li por aí) 

O Sá tirou aqueles dois, mas com certeza que a vontade dele era trocar tudo do meio campo para a frente. O único que mal ou bem foi cumprindo a sua missão ainda foi o Gelson, e por isso ficou em campo, mas ainda assim tem muitas culpas no golo sofrido. É ultrapassado em corrida pelo Edimar que em seguida solta a bola no extremo.Costuma-se aprender algures entre os iniciados e os juvenis, que se estamos a marcar um jogador continuamos a acompanhá-lo, em vez de andar à rabia atrás da bola, principalmente quando esta sai da nossa zona de acção. O que fez Gelson? Foi atrás da bola, para uma zona onde já estavam dois defesas do Sporting, deixando o Edimar à vontade para rematar na zona que lhe cabia defender. Também será culpa do treinador? São erros demasiado básicos para serem cometidos em alta competição, e era o que faltava ter de andar a ensinar a profissionais que ganham milhões o bê-á-bá do futebol.

A somar a isto, temos ainda o problema dos avançados. A bola chega à frente demasiado lentamente, e de forma previsível, à qual estes só sabem fazer uma de duas coisas: Passar para trás, ou cruzar para a cabeça do defesa mais próximo e/ou guarda-redes. Ninguém foi capaz de fazer um movimento interior no sentido da baliza ou criar o mínimo perigo em toda a primeira parte. Capel foi perfeitamente inconsequente, tanto jogando pelo chão, como quando tentou o cruzamento. Carrillo lá ía a espaços fazendo das suas, mas ao invés de utilizar a sua técnica para acelerar o jogo (fê-lo apenas duas ou três vezes em todo o jogo), decidia quase sempre mal, optando por fintinhas que invariavelmente culminavam no abrandamento do jogo, ou na perda da posse de bola.
Como a cereja no topo do bolo temos ainda Ricky Wolfswinkel. Continuam a ver-se as boas desmarcações do holandês (parece-me ser o seu ponto mais forte a inteligência com que se movimenta em campo), mas atravessa um momento de forma miserável, com uma falta de confiança gritante em cada vez que toca na bola, tomando muitas vezes as piores decisões. Sendo um jogador sem poder de choque, com a bola a "picar-lhe nos pés" é como estarmos praticamente a jogar com 10. Não estou a dizer que é mau, pior que o Postiga e o Djaló juntos, nada disso, antes pelo contrário, tem valor e algumas provas dadas. No entanto a pressão sobre ele começa a tornar-se insuportável e precisa urgentemente de ser retirado da equipa. O problema é não haver quem o possa substituir e aqui sim, Sá Pinto já deveria ter batido o pé junto da direcção por mais uma alternativa de ataque. Temos neste momento jogadores que foram essenciais na temporada passada, "encostados" por fruto de mais e melhores opções, e continuamos sem concorrência nesta posição tão fulcral.

Para a 2ª parte Sá Pinto, fez entrar André Martins e Labyad, com o intuito de dar maior dinâmica ao meio campo. A qualidade de jogo não subiu muito, mas bem ou mal, o fosso que havia entre a defesa e o ataque lá desapareceu, e ia-se criando mais algum (pouco) perigo. A exemplo do que já tinha acontecido na Dinamarca, o discernimento de quem atacava era pouco ou nenhum, e com isso o Rio Ave ía defendendo confortavelmente instalado na sua área. Os cruzamentos sucediam-se mas como Wolfswinkel enterrado no meio dos centrais, era o mesmo que passar a bola ao adversário. Capel e Carrillo pediam substituição, mas só havia mais uma para fazer, pelo que Sá Pinto, apostou e bem em Viola, retirando Gelson (que já tinha um cartão amarelo) e numa altura em que o Rio Ave também já não parecia muito interessado em atacar. Não conseguindo entrar na área foi-se tentando também o remate de fora, mas tanto Labyad, como Rojo, como Cédric, Carrillo ou o próprio Viola não conseguiram mais do que atirar por cima da baliza ou à figura de Oblak. 

Foi esta a história do jogo, e será a história de muitos outros, equipas fechadas atrás, que por milagre conseguem fazer um golo, e depois só têm de aguardar pelo passar dos minutos para roubar pontos ao Sporting. Tal como já estamos habituados em Alvalade, e assim vai continuar se algo de diferente não for feito. Sá Pinto não esteve feliz na escolha do 11 inicial, é um facto, mas não se lhe podem imputar todas as culpas, pois há jogadores completamente irreconhecíveis, em sub-rendimento face ao que produziram na época passada. Pode-se divagar sobre a capacidade de motivação do Sá, mas voltamos à velha máxima: De que mais motivação precisam estes jogadores do que aquela que está implícita em representar um clube centenário como o Sporting, com milhões de adeptos sequiosos de um título nacional?

Temos efectivamente uma boa defesa, uma dupla de centrais de luxo, como há anos não tínhamos, no entanto é pela ausência de referências atacantes capazes de resolver os jogos mais difíceis que continuamos a perder pontos, e estes 3 primeiros jogos oficiais demonstram-no claramente. Embora tenhamos um plantel com muito mais soluções, quantos de nós neste neste momento não abdicariam de bom grado de reforços como Boulharouz, Rojo, Gelson, Adrien, ou Pranjic, apenas para poder ter uma dupla como João Pinto e Jardel?

Nada está perdido, e perder jogos como o de ontem acaba por ser comum numa competição como o campeonato nacional (veja-se o poderoso Real Madrid que perdeu na última jornada com o Getafe), mas está na altura de Sá Pinto aplicar o tratamento que lhe pedem as claques, e apertar com eles! Uma vitória na próxima 5ª feira sem espinhas (golos precisam-se!), projecta-se assim como fundamental, pois os efeitos duma eliminação aos pés do Horsens poderiam ser absolutamente nefastos para a já afectada confiança da equipa.

CR

6 comentários:

Juca disse...

Tudo teorias(legítimas)... O problema é que se monta uma equipa para jogar com Real Madrid, Manchester, porcos, lampiões, com 70% de garantia de sucesso. Depois quer-se que a mesma filosofia de jogo sirva para os autocarros. Nada mais errado, na minha opinião. A receita deve ser diferente para o tipo de adversário com que se joga. Não sou encartado(treinador),joguei a bola 10 anos, vejo bola há mais de 40 anos e na minha opinião, Académica, Guimarães, Horsens e Rio Ave têm um denominador comum, (O treinador!) Todos os últimos que passaram por Alvalade não tinham (ou tinham poucos), meios. O Actual tem-nos de sobra, mas não sabe o que fazer com eles. Já nem a motivação tem como arma. É como a história dos 11 amendoins que certa vez o Sr. Paulo Bento contou. Tenho pena que seja assim porque, infelizmente, quem sai prejudicado é sempre o meu SPORTING! SL

João Ribeiro disse...

Estou totalmente de acordo com o JUCA
o nosso treinador foi um grande jogador.é um grande sportinguista,preparou e bem uma boa equipa de juniores mas devia ter mais
uns anos de evolução como técnico.Mas
como temos maus dirigentes um que está ultrapassado (luis Duque) outro
que é empresário de futebolistas e há-de ter as suas percentagens nos negócios e arranjaram um técnico às
suas medidas.
SL
JR

Leo disse...

Obrigado CR pelo post!
Que achas de uns reforços da escrita aqui para o SnA?

CR4 disse...

Acho que seriam muito bem vindos, não só para ajudar na publicação de notícias, mas também para termos mais diversidade de opiniões nos outros posts ;)

CR4 disse...

Comentando as opiniões do Juca e JR, é como disse no início do post, Sá Pinto tem muitas culpas, na constituição do plantel, na escolha do 11 inicial para estes 3 jogos, e até nas substituições(retirar ao mesmo tempo Elias e Adrien, independentemente deles o merecerem, pareceu-me mais uma reacção a quente do que outra coisa, e que ele enquanto treinador do SCP não pode ter!Queimou logo duas substituições e teve de aguentar, por exemplo, com o Capel até ao fim, que também merecia ter ido tomar banho mais cedo).
Mas não consigo culpar mais o Sá, do que os jogadores, porque todos eles podem e têm de produzir mais, muito mais do que produziram até aqui. Jogando aquilo que sabem, até arriscaria dizer que seja qual for o 11 escolhido, têm obrigação de ganhar a um Rio Ave em casa, e ao V.Guimarães mais fraco dos últimos anos.

Juca disse...

Com a devida vénia e respeito:
http://quintadelduque.blogspot.pt/2012/08/sa-pinto-tens-errado-agora-assumes-te.html SL