terça-feira, 29 de outubro de 2013

Um voltar á terra


Não sou de euforias desmedidas. Condeno-o, até. Só dou o certo como garantido. Estes princípios obviamente não são seguidos por todas as pessoas. Principalmente adeptos de futebol com a cabeça no coração vivem na ténue linha da euforia e desilusão. Não gosto nada disso a pairar á volta do nosso Sporting. A culpa desta derrota frente aos nortenhos é muito culpa de quem nos candidata ao título.
Sporting jogou bem, não foi uma derrota aonde se assistiu a uma equipa a arrastar-se em campo. Reconheço que o Porto esteve um furo acima e a nossa jovem equipa sentiu um pouco a sua falta de experiência. O penalti no inicio modificou ou tornou as coisas um pouco mais tensas e pesadas.
Seja como for, acabámos por dar uma boa replica. Na minha expectativa, no decorrer dos últimos minutos ainda ambicionava o empate, que como qualquer imprevisibilidade do quotidiano podia surgir do nada e marcar a história presente. Mas vamos aos factos.
Foi um excelente jogo de futebol, aquele que se viu no domingo. No relvado encontraram-se os dois primeiros classificados do campeonato, separados por dois pontos. Quem vencesse seria líder no final da oitava jornada e as duas equipas procuraram ambas a vitória desde o primeiro minuto. O resultado final decidiu-se em detalhes. O primeiro detalhe resultou no 1-0, aos 12 minutos. Maurício entrou fora de tempo sobre Alex Sandro, na grande área, e o árbitro Artur Soares Dias não teve dúvidas em assinalar a grande penalidade.
O Porto tinha entrado melhor, mas na verdade o nosso Sporting não sentiu o golo. Pouco a pouco, os nossos jogadores foram subindo as linhas e puseram em sentido o campeão nacional. Até ao intervalo não houve mais golos e as mais de 40 mil pessoas que foram ao estádio não tinham grandes motivos de satisfação, perante o espetáculo morno proporcionado pelas duas equipas. Na segunda parte mudaram de opinião. No segundo tempo houve mais espetáculo e golos. O primeiro rendeu o empate ao Sporting. William Carvalho aproveitou um alívio para a frente de Helton para fazer levantar o banco dos visitantes, estavam decorridos 59 minutos. Praticamente na jogada seguinte, Danilo inventou uma jogada para fazer o 2-1. Com o jogo em intensidade máxima, o Sporting voltou novamente a procurar o empate. Quase o conseguiu aos 67 minutos, quando Montero obrigou Helton à defesa da noite, mas foi o FC Porto que chegou ao 3-1. Varela aproveitou uma perda de bola para arrancar pela esquerda, passar a Jackson, receber de novo a bola centrada pelo colombiano e assistir de cabeça Lucho, que não desperdiçou a oferta.
Com cinco pontos de vantagem sobre nós, o Porto pode agora respirar com tranquilidade. 
Destaques:
William Carvalho - Já era o melhor do nosso Sporting antes do golo. Exemplar no passe. Poucos errou, até porque dá preferência ao jogo simples, muitas vezes uma virtude. O golo? Inteligência no movimento e remate eficaz. É quase sempre assim com ele. Continua a ser bom vê-lo crescer. Marcou, jogou e fez jogar.
Ivan Píris - Quase sem se dar por ele, o paraguaio tem sido boa surpresa. Foi-se soltando com o decorrer do jogo e até tentou o remate levando Helton a fazer uma boa defesa. Forte a defender ainda deu profundidade ao seu flanco. Provavelmente irá manter a titularidade á direita quando Jefferson voltar. Merece.
Montero - Esteve mais desacompanhado do que habitual fruto do pouco jogo que passou pelos pés de Adrien e André Martins. Ainda assim pôs a cabeça em água de Otamendi com as suas movimentações obrigando o argentino a vários erros. Dispôs de uma oportunidade soberana no cabeceamento para defesa de Helton.
Mauricio - Vai ficar inevitavelmente ligado ao resultado do jogo. Entrou fora de tempo e cometeu penalty. É verdade que no resto do encontro tentou (e conseguiu) ser uma lapa colada a Jackson Martínez, obrigando o colombiano a procurar outros caminhos. Mas o erro encobre o resto.
Adrien/André Martins - Estes dois foram a outra razão de não termos saído do Dragão com outro resultado. Não estiveram ao seu nível. Os dois não revelaram a capacidade física necessária e cometeram vários erros de construção, principalmente André Martins.

4 comentários:

Anónimo disse...

Continuo a não considerar André Martins como uma mais valia para o Sporting.
É muito pequenino para o futebol que se pratica em Portugal, designadamente com equipas que jogam futebol musculado, como é o caso do Porto.
Como é um jogador tecnicista e muito habilidoso, em jogos mais fáceis sobressai, mas, em jogos difíceis, passa ao lado da partida, sobretudo no plano defensivo.
Não tem poder de choque e está constantemente a cair.
Também Cédric não consegue acompanhar situações de ataque continuado.
Sei que grande parte dos adeptos não concorda com esta opinião, mas é o que sinceramente penso.
DUARTE

Anónimo disse...

O Wilson Eduardo não fez uma jogada!...Para mim foi o pior jogador em campo. Decepcionou-me. SL

Leo disse...

Concordo consigo amigo Duarte.
Já á algum tempo que penso fazer um post sobre isso mesmo do André Martins

Anónimo disse...

plágio é crime!!!!