sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Vitória por fim


Sporting-Videoton [Foto: Nuno Alexandre Jorge]

Foi preciso chegar à última jornada, mas conseguiu-se uma vitória no Grupo G da Liga Europa. 
Antes do início da partida, mesmo sem chuva, havia uma consequência do momento da equipa e da pouca importância do jogo: as bancadas. Pouco mais de cinco por cento de Alvalade estava preenchido. Acabariam por ser contabilizados cerca de oito mil espetadores. Uma pena...
O Sporting tinha a bola durante mais tempo, o Videoton defendia mais, mas oportunidades eram quase nulas. Exceções para o remate de Renato Neto à barra e para um canto muito perigoso marcado por Capel. Primeira parte pouco agradável e 0-0 ao intervalo.
Animação no segundo tempo - Viola fez de defesa num cruzamento de Insúa (no momento de encostar para o golo, enviou a bola para trás), mas Labyad acabaria por inaugurar o marcador quase a meio do segundo tempo. Após remate forte de Insúa, o marroquino foi mais rápido na recarga e marcou.
Aos 79' mão de Rinaudo dentro da grande área, grande penalidade bem assinalada e Sándor fez o empate para os húngaros. Sándor não esteve muito mais tempo em campo: três minutos depois deu, literalmente, um pontapé em Capel e foi expulso. No minuto seguinte ao golo do Videoton, e numa fase do jogo muito animada, livre do lado direito, mais uma recarga e desta vez foi Viola a marcar, de cabeça, estabelecendo o resultado final. O argentino e Ricardo Esgaio ainda poderiam ter ampliado a diferença, mas o 2-1 manteve-se.
Fiquei agradado principalmente com a segunda parte onde a equipa revelou mais entrosamento e dinâmica. Não se limitavam a passar a bola entre si; faziam-no com o objetivo claro de chegar á baliza contrária, e é assim que devia ser sempre. 

3 comentários:

Juca disse...

Podem até ter sido 8 mil, mas tenho-os como legítimos. Apoiaram a equipa, disseram presente, não se esconderam, são do SPORTING, sempre, nas horas boas e nas más. Não são como alguns dos arruaceiros, bandidos, malfeitores, traficantes, mal-formados, parasitas que vivem da anarquia para se fazerem ouvir e serem notados, que às vezes lá estão. Ontem estive (como sempre) lá, apoiei a minha equipa, os meus jogadores, os meus treinadores e o meu clube. Tenho orgulho em ser do Sporting, sempre. É a minha família, e fui ensinado a pôr a minha família sempre à frente de tudo (a seguir à Deus). Vão ter sempre o meu apoio, quando caírem, ajudo-os a levantarem-se. É a minha obrigação. Sou do Sporting!
P.S. - Ontem gostei da claque do adversário. Apoiaram a sua equipa do princípio ao fim.
Uma lição para alguns. Ontem não senti a falta deles...

Anónimo disse...

Boa crónica do jogo. E para o Juca (ontem também lá estive a apoiar) o seu sportinguismo é contagiante, assim fossem metade dos que se dizem sportinguistas. S.L.

Leo disse...

Amigo Juca, fossemos todos como você!