domingo, 5 de fevereiro de 2012

Dois regressos...

Sporting vs Gil Vicente (Manuel de Almeida/LUSA)

Quando falo de dois regressos digo o regresso a boas exibições e ao regresso dos homens do apito. E quando falo do regresso ás boas exibições ninguém pode desmentir que ontem jogámos bem! O problema é que quando começamos a jogar futebol, as marionetas do costume cortam-nos as pernas. Ponto prévio: o árbitro influenciou o resultado final, e o Gil Vicente ganhou por isso e só por isso!
Frente ao Gil Vicente, Ricky Van Wolfswinkel, André Santos e Evaldo foram as novidades principais no onze titular de Domingos Paciência, que deixou no banco de suplentes o também regressado Rinaudo.
Talvez embalados pelo triunfo sobre os tripeiros, os gilistas começaram melhor: três jogadas perigosas nos primeiros dez minutos, por Hugo Vieira, que se mostrou atrevido desde o primeiro lance, por Richard e André Cunha, estes dois últimos de cabeça. Matías Fernández respondeu, mas isolado permitiu uma grande defesa a Adriano. O campo começou inclinar mais para o nosso lado, através de duas ameaças de Carrillo, da cabeça de Wolfswinkel, mas nada concretizado.
Decorria o minuto 52'. Hugo Vieira ia ultrapassar Onyewu em contra ataque, mas foi travado em cima da linha da grande área. Cláudio não desperdiçou a grande penalidade e além disso, segundo cartão amarelo para o nosso defesa. Faltavam cerca de 40 minutos e o Sporting passava a estar em inferioridade numérica. 
Enquanto Carrillo estava claramente endiabrado e a desequilibrar a defesa contrária, Van Wolfswinkel andava a passar ao lado do desafio. Aliás, tal como o recém-entrado Rubio. Aos 70 minutos o árbitro dá  o seu protagonismo na partida: toque ligeiro do joelho de Júnior Caiçara em Matías Fernandez, que caiu. Um toque suficiente para estorvar a ação do chileno? É provável que sim.
Entretanto, depois do golo, o Gil passou 25 minutos longe da baliza, até que o mesmo Caiçara esteve perto de marcar, mas Marcelo respondeu com uma boa defesa. E a partida não iria terminar sem Caiçara ser outra vez notícia, quando viu o segundo amarelo já no período de compensação, por ter atrasado a reposição da bola, e foi também expulso.
Pouco esclarecimento e pouca inspiração do Sporting, que apesar de não ter justificado vencer este Grupo A, justificou ter saído deste jogo com outro resultado.


Carrillo - Foi a nossa melhor unidade. Fez um jogo tremendo com dribles, desequilíbrios e remates, um deles ao poste. O rapaz justificou um golo e saiu e bem sob o som de aplausos.
Mátias Fernandez - Foi um verdadeiro nº10 em campo. Pensou e concretizou várias jogadas ofensivas de transição. Utilizou a sua técnica e maravilhou-me com passes curtos sempre para a frente. Nas alas ele também dá um pézinho ajudando Evaldo e J.Pereira a conseguir avançar no terreno. Sò acho que Matías deve apostar também no seu remate pois é uma das suas armas desaproveitadas. Gostava de ter este Matías em todos os jogos...
Marcelo Boeck - Até teve uma partida calma, mas ao ser chamado a intervir, defendeu tudo o que houve para defender, menos a grande penalidade.
Domingos Paciência - Não se compreendem as suas opções iniciais: por Evaldo de inicío e Wolfswinkel. Ainda não percebi também a sua recusa em jogar com dois avançados lado a lado. Na segunda parte  também não faz sentido a entrada de Diego Rubio, quando se pedia alguém com mais músculo como Ribas. Ultimamente, jogo a jogo, Domingos tem baixado na minha consideração...
Arbitragem - Arbitragem amadora neste jogo, com lançamentos, cantos e uma grande penalidade não assinalados. E uma dualidade de critérios também questionável.

3 comentários:

Filipe Araújo disse...

Muita incoerência no seu post: primeiro, apenas perderam por causa do árbitro, e depois, justifica-o por um lance que provavelmente foi penalti. E no fim, fala de penalidades que ficaram por marcar (no plural). Já agora, erros com faltas e foras houve para ambos os lados.

Já agora, e aquele fora de jogo mal assinalado com o hugo vieira sozinho frente ao GR? E se tivesse marcado? Seria golo anulado? Seria o escândalo absoluto? Não, nem é mencionado...

Numa taça da liga com equipas claramente inferiores, com o sporting sempre a jogar com os melhores jogadores, não ganharam um único jogo, e agora, aqui del rei que o árbitro não marcou um penalti provável... Tenha dó! Já agora, para mim não era provável, era mesmo penalti! Mas justificar a saída da taça da liga com isso é ridículo...

Leo disse...

Logo na ultima frase do texto está: "...apesar de não ter justificado vencer este Grupo A..."
Sei que o Sporting teve a eliminação justa pois não jogou de forma a vencer os seus adversários e isso é vergonhoso.
Agora não me venha falar em árbitros porque o Senhor só não viu os erros porque ou não viu o jogo ou não quis.

Cumprimentos

Morais disse...

Leo... é verdade que prejudicou o Sporting mas acho que esteve mal para os dois lados, pois anulou mal um fora de jogo onde o Vieira ia isolado para a baliza.

Depois de muitas tentativas, espero que seja agora a afirmação do A Visão da Bancada no mundo da blogosfera, por isso, venho aqui propor uma troca de links, aceitam?

http://avisaodabancada.blogspot.com/