domingo, 13 de fevereiro de 2011

Novo Colaborador

Saudações Leoninas a todos os leitores deste blog. Venho por este meio anunciar o meu início de funções como colaborador do Sporting na Alma. Começando por me apresentar chamo-me Cláudio Russo, tenho 24 anos, vivo em Samora Correia, e trabalho como engenheiro informático em Lisboa. Sou sportinguista desde que me dou por gente, e um apaixonado pelo desporto rei, que cheguei a praticar como federado nas camadas jovens da AREPA (clube local do Porto Alto). A minha primeira crónica como colaborador deste espaço, foi escrita no dia seguinte ao fecho do mercado, que transcrevo nas linhas abaixo.

O click – Do Sucesso ou
da Belenização?


Muito se tem falado nestes tempos conturbados que atravessamos, da Belenização para que o clube caminha, ideia que eu tenho firmemente rejeitado até…ontem.
José Eduardo Bettencourt a dada altura dizia faltar apenas um click para que a equipa começasse a ganhar e deixasse definitivamente para trás esta página negra da nossa história. Ontem finalmente ouviu-se um click quando esta direcção pisou uma mina, que explodiria à meia noite com a não chegada de qualquer reforço digno de, pelo menos, atenuar a dor e revolta dos adeptos que vêem partir o maior símbolo do clube nestes últimos 8 anos, por míseros 2 milhões de euros.
A saída de um jogador da craveira de Liedson terá forçosamente o seu impacto na história do clube, e olhando apenas à história mais recente, vemos que foi assim com a saída de Acosta e assim foi com a saída de Jardel. A diferença é que estes saíram como campeões após uma época de sucessos, deixando-nos alguma água no cantil para a travessia do deserto à nossa frente, enquanto Liedson sai sem nos deixar uma gota, abandonados no meio de um deserto de títulos.
Quando vendemos ao desbarato a maior referência do clube e somos rejeitados por um jogador de clube do meio da tabela do nosso campeonato, mesmo oferecendo-lhe 3 vezes o seu salário, é o sinal que faltava para perceber que os Sportinguistas são os únicos que ao olhar para o Sporting ainda admiram toda a sua grandiosidade. Para os demais somos neste momento apenas um Leão atordoado, a quem qualquer gato pingado pode vir pontapear à confiança, pois sabe que nem força temos para nos levantar, quanto mais para rugir ou mostrar as garras.
Há quem desvalorize os últimas acontecimentos e defenda que já nada temos a ganhar esta temporada, que resta apenas preparar a seguinte, mas eu digo que ainda temos muito a perder, enquanto houver uma réstia de orgulho e dignidade em cada Sportinguista. Onde há vida há esperança, e a esperança tem mesmo sido o único alimento dos Sportinguistas de há anos a esta parte. É por isso que quero, e todos temos de, acreditar que o que não nos mata deixa-nos mais fortes e esta saída de Liedson terá um efeito motivador naqueles que, nos últimos tempos têm vivido à sombra do “gigante” Levezinho que Resolvia. Na ausência do progenitor, terão de ser as crias do Leão a emancipar-se e a caçar sozinhas o que antes estavam seguras de obter por terceiros, ou morrerão de fome.
A saída de Liedson em conjunto com um acto eleitoral, que se espera ser de rotura com o passado recente do dirigismo do clube, marcará o fim de uma era no Sporting. Como em qualquer era que termina, há a esperança de que a próxima supere a anterior, e que se construa uma era de progresso e oportunidades. Para além dessa esperança, tenho ainda como certeza que será esta a derradeira oportunidade para reerguer o clube e devolvê-lo ao patamar de onde nunca devia ter saído, sob pena de noutro já dia ser tarde demais.
Não podemos apesar de tudo, acreditar que a nova direcção consiga alcançar o sucesso, se tiver uma equipa de derrotados na frente da batalha, pois corremos o risco de também eles serem engolidos pela onda derrotista ao primeiro vacilo da equipa principal. Mas como fazer omoletes quando não se tem ovos? Fazendo das tripas coração, compensando com atitude e garra leonina, o que faltar em talento, e tão bons símbolos disso já tivemos no nosso clube, e que estarão certamente a um aperto de mão de distância de voltar a representá-lo.
Por agora é tempo de lamber as várias feridas que nos cobrem este corpo de sofredor Sportinguista, mas com os olhos postos nestas eleições, para a partir o primeiro dia, todos sem excepção, apoiarmos incondicionalmente a nossa equipa, e mostrar ao mundo que estamos vivos, e que nem a pior seita da história do dirigismo desportivo conseguiu deitar abaixo o nosso grande amor…
Após termos aprendido com os erros cometidos que nos trouxeram até aqui, temos agora uma vasta lista de exemplos de quais os caminhos que não devemos seguir, e já começaram a aparecer indicações de como nos poderemos emendar, desde a Academia à Equipa principal, desde o balneário à direcção, desde a projecção à tesouraria.
Sempre ouvi dizer que há duas maneiras de aprender, seguindo os exemplos dos que tiveram sucesso, ou partindo a cabeça por conta própria. Os sensatos escolhem a primeira opção, nós teimámos em escolher a segunda, foi a mais demorada, e a mais dolorosa, mas também lá chegaremos.
O momento é agora! Para, de uma vez por todas, fazer do Sporting um clube tão grande como os maiores da Europa! Pois só estando entre os maiores a existência do Sporting fará sentido!

Saudações Leoninas,
Cláudio Russo

2 comentários:

Anónimo disse...

Bem vindoo.
O que o Sporting precisa é um presidente e treinador decentes..

Miguel disse...

Bem-vindo.

Gostei muito do teu texto e só te quero desejar as maiores felicidades a ti e a este blog que tem tido um crescimento notável.

Abraços