terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Análise ao Jogo Olhanense x Sporting


Diz o povo que o que nasce torto nunca se endireita, e a lesão de Schaars ainda no aquecimento não augurava nada de bom para esta partida. Com os 3 médios (à partida) titulares afastados deste jogo, e com as dificuldades que a equipa tem revelado em armar o jogo a meio campo era impossível não ficar apreensivo, o que se agravou com a opção de Domingos por Carriço (+ Renato Neto e Matías), em detrimento de um médio mais criativo (André Martins/Santos). Na frente Domingos apostava num trio formado por Capel, Jeffren e Carrillo por forma a dar mais técnica e velocidade ao ataque.
Os piores receios confirmaram-se, e não fossem os pequenos rasgos de criatividade de Matías Fernandez aqui e ali, o sofrimento dos adeptos na 1ª parte tinha sido ainda maior. A equipa atravessa uma terrível crise de confiança, de tal forma que em certos momentos não é capaz de fazer circular a bola com mais de três passes seguidos, o que leva os jogadores mais recuados a optar pelo jogo directo com as consequências já conhecidas. Se com um jogador da envergadura de Ribas (e até Wolfswinkel) este tipo de jogo redunda sempre em falhanço, pior seria com Jeffren que para além de não estar rotinado na posição de avançado centro, é um jogador que gosta de bola no pé, pois é pelo chão e em drible curto que ele pode e sabe desequilibrar.
Como já vimos ao longo da temporada, quando a vertente ofensiva não funciona é um ai-jesus na defesa e o Olhanense soube explorar isso sempre que subia em contra-ataque. Perdi conta aos lances (não só na 1ª parte) em que apareceram jogadores do Olhanense em situação de remate à entrada da nossa área. Tivessem os algarvios outra inspiração na hora do remate, e o dissabor poderia ter sido bem maior.
Já nem quero falar nas bolas paradas, pois só encontro uma justificação para tantos lances de perigo: FALTA DE CONCENTRAÇÃO E AGRESSIVIDADE, é vergonhoso ver profissionais de futebol a abordar estes lances da forma que vejo o Sporting fazer. Já passaram por cá N treinadores, e o problema persiste, portanto nem vale a pena bater mais no ceguinho.
O intervalo chegou com o Sporting a criar apenas uma oportunidade de golo digna desse nome, numa jogada em que Capel remata para defesa de Fabiano, após cruzamento de Jeffren. Ao mesmo tempo o Olhanense teve três lances em que esteve perto de inaugurar o marcador.

Na 2ª parte a equipa entrou um pouco mais decidida em mudar o rumo dos acontecimentos, mas actuando quase sempre mais com o coração do que com a cabeça. Polga poderia ter feito o 1º de cabeça após cruzamento de Capel, mas atirou à figura do guarda-redes. Depois foi Jeffren, após uma arrancada de Carrillo, que não conseguiu aproveitar o falhanço da defesa do Olhanense, e atirou ao lado, mostrando que não está talhado para actuar naquela posição.
Pouco depois Domingos mexia tirando Jeffren, e o desinspirado Renato Neto, para lançar os jovens (por quem os adeptos já desesperavam) André Martins e Diego Rubio. Não foi preciso dar mais de meia dúzia de toques na bola para de imediato se concluir que Martins devia ter sido a 1ª opção para substituir Schaars, pois logo no primeiro lance tirou 3 adversários da jogada desmarcando Capel para mais um cruzamento, embora sem sucesso. Vê-se que a bola nos pés deste miúdo tem outro tratamento, o que está a fazer falta de sobremaneira ao Sporting pelo que não se percebe porque joga tão pouco.
Rubio não entrou tão bem, mas também pouco mais se lhe pode pedir, da maneira que a equipa está a jogar e nas condições, quase sempre deficientes, em que a bola chega aos avançados. De qualquer forma está mais familiarizado com a posição, pelo que não havia necessidade de estar a adaptar outro jogador em vez de dar oportunidades ao miúdo que foi a revelação da pré-época.
Enquanto isso o Olhanense criava perigo das poucas vezes que se acercava da nossa baliza. Wilson Eduardo, primeiro num remate de primeira após um toque de cabeça de Maurício na sequência de um livre, e depois de bola corrida num cruzamento da direita, podia ter inaugurado o marcador. Não fosse Rui Patrício estar em dia sim, e teríamos certamente saído de Olhão vergados a mais uma derrota.
Mais oportunidades flagrantes para o Sporting só mesmo já ao cair do pano, num lance em que Carrillo não consegue aproveitar mais uma falha da defensiva algarvia, e remata nas "orelhas da bola" e ao lado da baliza do Olhanense para desespero dos adeptos.

+ Rui Patrício: tal como o ano passado, o nosso guardião é o jogador que mais se destaca nesta altura de crise e vai impedindo males maiores
+ André Martins: é um bálssamo para os olhos ver este jogador a distribuir jogo no nosso desinspirado meio campo
+ Matías Fernandez: é dos poucos a emprestar alguma criatividade ofensiva à equipa, embora ontem tenha sido inconsequente

- João Pereira: continua (desde há vários jogos) a acumular erros na hora de defender e mesmo a atacar tem tomado demasiadas decisões infelizes. Houvesse um substituto a altura e uma passagem pelo banco não lhe faria mal
- Carriço: a falta de rotinas como médio-defensivo não servem de desculpa, é responsabilidade sua proteger a zona frontal da área e não permitir situações de remate. Aceita-se que seja menos participativo na manobra atacante, mas na hora de defender tem que lá estar
- Colectivo: a equipa não está a funcionar como tal, e assim é sempre algo injusto estar a apontar o dedo às individualidades. Quando o colectivo é forte os erros individuais são mais facilmente amparados pela equipa.

CR

6 comentários:

Anónimo disse...

Excelente post!

Anónimo disse...

Como é que foi possivel o Renato Neto ter sido considerado o melhor médio do campeonato belga ?. Os belgas devem estar doidos ou o campeonato deles deve ser uma miséria. Quanto ao jogo, sabendo-se dos problemas do nosso clube em organizar jogo e se começa no meio campo com Carriço + Renato Neto, está tudo dito.

Leo disse...

Obrigado Claudio por fazeres o post pós-jogo.
Amigo anónimo, o Renato foi justamente o melhor médio do campeonato belga pois jogava em posições mais avançadas no terreno mais propriamente médio ofensivo. Actualmente ainda não jogou nessa posição preferindo Domingos coloca-lo a médio centro/defensivo.

CR4 disse...

Obrigado Leo, quando não puderes fazer a tua análise habitual avisa que eu começo logo a aquecer para te substituir ;) Ultimamente tenho tido menos tempo para postar (os preparativos para o casório são lixados), mas passo por aqui todos os dias a ver se posso acrescentar alguma coisa. Abraço

Leo disse...

Vais-te casar? Bem, parabéns e felicidades!

;)

CR4 disse...

Sim, dia 19 de Maio ;)