quinta-feira, 21 de julho de 2011

Análise à preparação de 2011/2012


Confirmando-se a contratação de Diego Capel serão 13 as contratações do Sporting para a nova época. Sinceramente já não me lembro da última vez que o Sporting comprou tanto numa pré-época, se é que alguma vez o fez. É verdade que as lacunas eram mais que muitas, algumas foram bem suprimidas, mas o facto é que na generalidade o Sportinguista ainda não está satisfeito e confiante que este plantel chegue para o ataque ao título, face às adversidades que iremos encontrar ao longo da época. As opiniões e análises são mais que muitas, discutindo-se se o jogador X ou Y irá render, se Domingos conseguirá extrair todo o potencial do plantel, tal como fez em Braga, ou se mais uma vez comprámos sem garantia de qualidade e vamos estar para o ano em trabalhos para conseguir despachar uma parafernália de jogadores entretanto desvalorizados.


O meu optimismo de adepto não me permite para já equacionar esse cenário de insucesso, mas é um facto de que nos últimos tempos em Alvalade tem imperado a lei de Murphy, e quando algo pode correr mal, corre e da pior forma possível e causando o maior dano imaginável.
Neste momento eu acredito termos a arma que há muito não tínhamos: Um Treinador.
Esta arma é a mais valiosa, mas é ao mesmo tempo uma espada de dois gumes. Se por um lado temos um treinador de provas dadas, capaz de potencializar ao máximo os recursos que tem, que recuperou inúmeros jogadores de quem o futebol se tinha esquecido. Por outro, toda a estratégia que se montou para a nova época, a avaliar pelas contratações feitas até agora assenta nesta capacidade, no trabalho de um só homem. Havendo excepções (talvez Rodriguez, Schaars e Rinaudo) até ao momento comprámos apenas jogadores com um de dois perfis, jovens promessas em ascensão, ou ex-jovens promessas que enfrentaram um período de estagnação na sua evolução.
É uma estratégia como outra qualquer, com sucesso à vista em Braga, mas ainda assim perigosa. Por um simples motivo: o Sporting Clube de PORTUGAL é diferente de Sporting Clube de BRAGA, logo a começar pela diferença nas palavras PORTUGAL e BRAGA. Enquanto um carrega o peso e a pressão de todo um país, o outro concerne-se à dimensão de uma cidade minhota. Aqui exigem-se resultados imediatos e futebol de encher o olho, enquanto lá em cima o tempo corre mais devagar...com tempo para preparar e apresentar resultados. É isto que me preocupa, se o homem à volta do qual se montou toda a estratégia para atacar a nova época terá o apoio necessário ao surgir das primeiras adversidades. Supondo que o Sporting era eliminado no playoff de acesso à Liga Europa tal como aconteceu com Domingos na 1ª época em Braga, teria ele o apoio forte da direcção para a sua continuidade? Ou não havendo resultados logo de início vai ser deitado à rua todo o trabalho realizado até aqui e alterada bruscamente toda a estratégia? Dá que pensar...
Voltando então ao tema do plantel actual, discute-se entre os adeptos se não havendo mais entradas, como alguns dirigentes já afirmaram, este chegará para atacar o título ou se por outro lado ainda faltam cerejas no topo do bolo. As opiniões dividem-se, mas do que tenho lido por aí, as posições que ainda gostavam de ver reforçadas seriam:


Defesa-Central: Polga continua a ser um mal-amado, as suas performances têm vindo a decair de época para época e muitos não lhe vêm qualidade para ser opção regular, o que a acrescentar ao argumento do elevado salário, o torna um candidato a abandonar o plantel libertando uma vaga para entrar mais um central. Este argumento ganha ainda mais força quando analisada a predominância para lesões dos reforços Rodriguez e Onyewu, e ainda se coloca a dúvida sobre se o verdadeiro Carriço é o da época passada, ou o das anteriores. Sinceramente não acredito que haja a entrada de mais um central, a não ser que haja uma proposta irrecusável por Polga. Temos nos nossos quadros jogadores à espreita da oportunidade na próxima época, pois Polga termina contrato em 2012, assim como Domingos já viu pelo estágio na Holanda que em caso de necessidade tem no júnior Tiago Ilori um elemento a considerar.


Defesa-Esquerdo: muitos depositam na possibilidade de Domingos ressuscitar o Evaldo que jogava em Braga a esperança de uma lateral-esquerda forte. Há-de chegar ainda Turan para fazer concorrência ao brasileiro, mas também não é o jovem francês que nos deixará dormir descansados. Oscar Wendt teria caído como uma luva neste plantel, pelo que muitos ainda gostariam de ver entrar um lateral-esquerdo de créditos firmados. Não me parece prioritário, mas seria bem vindo.


Defesa-Direito: João Gonçalves foi parar à enfermaria e paira no ar a dúvida se este poderá ser uma alternativa consistente a João Pereira. Foi contratado Arias, que pelo pouco que se pôde ver dele não tem ainda condições para vingar no Sporting e nem isso lhe será exigido a curto prazo. E por fim, Pereirinha resgatado à última da hora, sem rotina na posição, e que não mostrou estofo para jogador de um grande. Dado o feitio e estilo de jogo de João Pereira, é preciso contar que este esteja indisponível para um número considerável de jogos, pelo que a alternativa deverá ser um valor seguro, e sinceramente nenhuma das que temos até ao momento me deixa mais descansado do que Abel deixava.


Médio-Defensivo: Rinaudo parece ser, pelo que demonstrou na Argentina, e tem demonstrado nos primeiros jogos da pré-época um valor seguro, e que irá agarrar o lugar à frente da defesa. No entanto é um jogador de características ímpares no plantel, assim como não é particularmente forte no jogo aéreo dada a baixa estatura. Por estes motivos a entrada um trinco forte-fisicamente capaz de ajudar a defesa nas bolas paradas, aliado ainda ao facto de apenas um dos nosso centrais ter acima de 1,85m, não seria de descurar.


Nº 10: El Crá Matias Fernandez é o nosso 10, e estando em forma será certamente um nome a entrar em conta para o 11 titular. No entanto aqui, tal como com Rinaudo, não temos no plantel outro de valia semelhante. Luís Aguiar, Schaars e Izmailov podem fazer a posição mas não sem prejuízo para a equipa a nível de criatividade. Há ainda André Martins, e Zezinho, que ainda não têm garantida a presença no plantel pelo que dificilmente podem aspirar a ser a alternativa a El Crá.


Extremo-Direito: Como Yannick disse recentemente numa entrevista, ele e Izmailov eram os únicos extremos do plantel. Carrillo não entra nem pode entrar para estas contas, pois 1º não é um extremo de raiz, e 2º tem apenas 19 anos, poucos jogos tem como sénior e é a sua primeira experiência fora do Perú. Izmailov já se viu que terá de ser utilizado com toda a ponderação para que não volte ao estaleiro, e não pode contar como 1ª e única opção para uma posição crucial do ataque. Entrou Diego Capel, com uma opção mais que válida para a esquerda, faltando outra para a direita, que poderá até já existir...


Avançado: Temos 2 caras novas, e o velho Postiga. Rubio e Wolswinkel têm deixado boas indicações, e até Postiga está a mostrar serviço, sendo neste momento o melhor marcador. Será que chega quando os jogos forem a doer? Esta é uma posição demasiado importante para podermos ter dúvidas pelo que a entrada de uma ponta-de-lança de créditos firmados e historial de muitos golos marcados, podia não só galvanizar os adeptos como retirar pressão a Ricky e Rubio na sua primeira experiência no estrangeiro.


Deixei prepositadamente para último falar de Bojinov por uma razão. Ainda não consegui descortinar onde o búlgaro se vai encaixar, e nessa dúvida pode residir a resolução de algumas das carências do plantel. Pelo que sei de Bojinov, poderá alinhar nos 3 corredores do ataque, o que faria dele uma alternativa tanto a Izmailov, como a Matias Fernandez assim como para avançado centro no caso de jogarmos com dois avançados. No entanto sem o ver jogar, essa capacidade pode não ser mais do que teórica o que me leva a crer que nos faltará ainda um jogador para o ataque seja ele extremo ou PL, dependendo da táctica a utilizar maioritariamente durante a época e do lugar onde Bojinov renda mais.
Durante o estágio da Holanda foi utilizado maioritariamente o 4-1-3-2 que acredito que possa ser utilizado na grande maioria dos jogos durante a época que serão contra equipas mais fracas. Sendo esse o sistema, ou Bojinov conta definitivamente para avançado e faltará chegar mais um extremo, ou conta para extremo e faltará chegar mais um ponta-de-lança.
Por outro lado, sendo essa táctica a utilizar acabamos por ficar com excesso de médios centro, uma vez que este sistema utiliza apenas dois. Sendo assim, os prováveis titulares seriam Rinaudo e Schaars pois são a dupla que melhor enche o miolo, uma vez que nem André Santos nem Matias Fernandez são tão fortes a defender. Contudo El Crá é um elemento demasiado valioso para ter no banco, pelo que seria de considerar a hipótese de o ver jogar como 2º avançado ou até na direita do meio-campo.


As dúvidas são mais que muitas numa altura em que se treina um 4-1-3-2 com um plantel que parece construído a pensar num 4-3-3, aguarda-se portanto a chegada dos internacionais sul-americanos que virão completar o leque de opções. Os próximos jogos com Juventus e Valência vão elevar o nível competitivo para outros patamares, e ficaremos certamente com uma melhor ideia do que poderá valer este Sporting, faltando ainda os derradeiros testes do troféu Ramón Carranza.


CR

Sem comentários: